Você sabe mesmo o que faz? | Eu & Nós

Você sabe mesmo o que faz?

Por Mariana Viktor

 

rosto meio-mulher e meio-bicho

Muitas vezes nos surpreendemos com os outros. “Mas como esse cara pode fazer isso?!”. Pois saiba: você é tão desconhecido a você mesmo quanto um estranho. 

“A maioria dos seres vivos provavelmente não tem consciência de seus atos da mesma maneira que acreditamos possuir. Apesar disso, agem e reagem guiados por um cérebro capaz de captar estímulos do meio ambiente e transformá-los em ações na ausência de consciência. Nossa mente consciente evoluiu no interior de um desses cérebros e não deveria nos espantar que muitos dos mecanismos que governam o comportamento de nossos ancestrais ainda governem nossos atos. Precisamos aprender a conviver com o fato de que não passamos de animais sofisticados e aos poucos nos libertarmos da doce ilusão de que nossos atos dependem de nossa vontade consciente”.

Este trecho foi extraído do texto do biólogo Fernando Reinach, publicado no jornal O Estado de São Paulo, em 12 de agosto de 2010. O tema não é novo mas é fundamental porque explica o lado obscuro do comportamento humano. Depois de lê-lo é fácil entender o significado do “conhece-te a ti mesmo” e do viver no piloto automático.

imagem: Sthetic

 

SOBRE O AUTOR

A Mariana é formada pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC). Especializada em Coaching de Relacionamento e Emotional Freedom Techniques (EFT), é certificada em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard. Jornalista, dedicou-se às áreas de Comportamento, Saúde Holística e Sexualidade, sendo pós-graduanda em Terapia Familiar e coautora do livro Saúde Emocional (Editora Ser+). Colaboradora do blog da Sociedade Brasileira de Coaching, escreveu para as revistas Vida Simples, Galileu, Marie Claire, Bons Fluidos, Educação, Ana Maria, Viver Psicologia e Claudia, entre outras. Foi colunista das revistas Viva Saúde, Corpo a Corpo e Meu Nenê. Assina a coluna Dica da Mari na revista Atrevida.

Comentários do Facebook

Deixe seu comentário