Tire a calcinha dos pensamentos! | Eu & Nós

Tire a calcinha dos pensamentos!

Não adianta pensar nos verbos aquecer, comer, dormir ou trepar – deixe os verbos virarem ação.

Por Marco Antonio Beck

mulher tirando uma calcinha vermelha

O corpo não pensa.

Ele é orientado por sensações:

frio, cansaço, fome, sono, tesão.

A cabeça não sente.

Ela é guiada por pensamentos:

como, por que, quando, onde.

Quando o corpo chama e pede calor, alimento, cama ou gozo, a boa cabeça se rende porque sabe que o assunto não é com ela. Não adianta pensar nos verbos aquecer, comer, dormir ou trepar – e ela deixa os verbos virarem ação.

Mas a cabeça hipertrofiada de pensamentos, anabolizada de teorias, soberba de teses, essa reage ao chamado do corpo e questiona o frio, interpreta a fome, reage à cama e se envergonha do gozo, porque tudo é simples demais e então não pode ser só isso e ser assim.

Você não fará a declaração do Imposto de Renda com seu tesão e nem subirá pelas paredes, duro ou encharcada, por ter lido Freud.

E se os seus pensamentos fossem uma calcinha vermelha ou uma cueca branca e você simplesmente os tirasse na hora de sentir, de sentir-se?

SOBRE O AUTOR

Formado pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), o Marco é practitioner em Programação Neurolinguística (PNL) e Emotional Freedom Techniques (EFT). Certificado em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard, é coautor do livro Saúde Emocional (Editora Ser+), colaborador do blog da Sociedade Brasileira de Coaching e colunista convidado do Obvious, o maior site colaborativo de cultura em língua portuguesa. Estudou psicologia junguiana, noética e pensamento sistêmico, além de trabalhar como ghost-writer – que é quem coloca em palavras as ideias de muitos autores que você lê. Criou junto com a Mariana o Eu & Nós, primeiro site brasileiro sobre Coaching de Relacionamento.

Comentários do Facebook

Deixe seu comentário