Onde você lança sua âncora? | Eu & Nós

Onde você lança sua âncora?

Uma musiquinha, um cheiro, uma velha foto, um tom de voz, uma gravata verde-oliva… De repente alguma coisa acorda uma lembrança ruim do passado e a lembrança produz uma onda de pensamentos sabotadores.

Por Marco Antonio Beck

âncora largada numa calçada“Não era você…”

“Nessas horas você parece sua mãe (ou seu pai)!…”

“Mas você tava tão bem… O que aconteceu?!”

Aconteceu que de repente alguma coisa me fez viajar na maionese estragada e perder o fio da meada e quando me dei conta o controle emocional foi pro brejo. É como se um outro eu incorporasse em mim feito encosto e fizesse tudo ficar desbotado de tristeza ou vermelho de raiva, bem ali onde 5 segundos atrás tudo era flores.

Nesses 5 segundos foi lançada uma âncora.

Algum troço aparentemente nada a ver – uma musiquinha, um cheiro, uma velha foto, um tom de voz, uma gravata verde-oliva – acordou uma lembrança ruim do passado e a lembrança produziu uma onda de pensamentos sabotadores que por sua vez gerou um tsunami de emoções desbotadas ou vermelhas.

E daí adispois eu me lamento e repito pela enésima vez que foi uma merda e nunca mais vai se repetir porque sou adulto e amadureci e sei que aquilo não é coisa minha!

Até lançar a âncora de novo.

A bóxta, como diz um amigo carioca, é que os gatilhos são muito rápidos ao produzir o primeiro pensamento sabotador e esse pensamento empurrar a bolinha de neve das emoções ladeira abaixo até virar uma linda e devastadora avalanche e arruinar seu dia, seu casamento, seu emprego, sua saúde. Em termos técnicos, você ancorou onde não devia.

A bélezura, como diz uma amiga baiana, é que tem um jeito de impedir que isso aconteça.

“Mas é automático, caraio!”, você deve estar pensando. “Quando vi já foi e quando foi já fui!”

Ok, mas precisa ser automático pro lado ruim?

Será que não existem âncoras do bem?

Pensa comigo: toda essa procissão de pensamentos e emoções ruins começou lá atrás com uma associação. Vermelho do semáforo & perigo. Hohoho! & Papai Noel. Woodstock x cigarros artesanais. Não vou comer espinafre x chinelada.

Experimenta colocar espinafre no meu prato de adulto quando tou predisposto a ser criança.

“Tá, mas e daí?”

Daí que essas associações podem ser desintegradas antes de abrirem fogo, como a nave Estrela da Morte no final de Star Wars I… por outras associações.

A gente vê juntos como fazer isso no próximo texto.

imagem: Panoramas 

SOBRE O AUTOR

Formado pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), o Marco é practitioner em Programação Neurolinguística (PNL) e Emotional Freedom Techniques (EFT). Certificado em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard, é coautor do livro Saúde Emocional (Editora Ser+), colaborador do blog da Sociedade Brasileira de Coaching e colunista convidado do Obvious, o maior site colaborativo de cultura em língua portuguesa. Estudou psicologia junguiana, noética e pensamento sistêmico, além de trabalhar como ghost-writer – que é quem coloca em palavras as ideias de muitos autores que você lê. Criou junto com a Mariana o Eu & Nós, primeiro site brasileiro sobre Coaching de Relacionamento.

Comentários do Facebook

Deixe seu comentário