Estudo diz que homens gostam mais de carinho que as mulheres | Eu & Nós

Estudo diz que homens gostam mais de carinho que as mulheres

O novo estudo apenas mostrou que não somos catalogáveis. Há mais sutilezas inexploradas no comportamento sexual e afetivo do que supõem nossas teorias.

Por Mariana Viktor

leão e leoa com as cabeças encostadasFaz 60 anos, o famoso Relatório Kinsey espantou meio mundo ao revelar que o sexo praticado no pós-Segunda Guerra era beeeem mais safadinho que se imaginava. Agora, passado tanto tempo, o Instituto Kinsey – ligado a Universidade de Indiana (EUA) – surpreende outra vez.

A equipe de sociólogos do Instituto acaba de concluir um estudo sobre o comportamento sexual de casais entre 40 e 70 anos e revelou que os brasileiros, os espanhóis, os japoneses, os alemães e os americanos casados há pelo menos 25 anos gostam mais de demonstrações de afeto do que suas mulheres!

Não precisa ler de novo: é isso mesmo.

O curioso é que muitas das atuais teorias sobre sexualidade são baseadas no Relatório Kinsey de 1948 e no seu sucessor, o célebre Relatório Hite, dos Anos 70. Pois a conclusão do novo estudo desbanca a ambos:

Quem gosta de beijinhos, abraços e mimimis são os homens e não as mulheres.

Elas afirmam – PASMEM! – que todas essas demonstrações de afeto não são importantes para a felicidade do casal.

Mas segure o queixo porque tem mais: o relatório garante que a satisfação sexual é mais valorizada por elas do que por eles como elemento de uma relação plena e feliz.

Pensa que acabou? Nananinanão. Outra conclusão do estudo: os garanhões que colecionaram muitas mulheres durante a vida mostraram-se menos satisfeitos sexualmente do que aqueles que tiveram poucas mulheres (mostre esse trecho pra ele rsrs).

A grande sacada desses estudos, independente de quando foram feitos, é a de que nada é o que parece e está mais do que na hora de rever o estoque de regras sobre sedução e preferências sexuais  – femininas ou masculinas.

O estudo foi feito com mil casais  – que é um número considerável para uma pesquisa embora não suficiente para configurar uma tendência geral.

Mas existe “tendência geral” ou existem indivíduos?

A conclusão incontestável é de que existem homens mais carinhosos e mulheres mais sexuais. Nada além disso, porque necessidades pessoais são mesmo pessoais e não mudam em 60 anos, nem em 100, nem em 1000. O que muda é a cultura, ao estimular ou reprimir a erótica individual.

O novo estudo apenas mostrou que há mais sutilezas inexploradas no comportamento sexual e afetivo do que supõem nossas teorias.

Então, se você quer conquistar aquele gato ou aquela gata, esqueça as fórmulas. Fórmulas são para químicos, não para a química. Ela simplesmente acontece.

imagem: fanz via Compfight cc / imagem destaque: Fabio Venni

SOBRE O AUTOR

A Mariana é formada pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC). Especializada em Coaching de Relacionamento e Emotional Freedom Techniques (EFT), é certificada em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard. Jornalista, dedicou-se às áreas de Comportamento, Saúde Holística e Sexualidade, sendo pós-graduanda em Terapia Familiar e coautora do livro Saúde Emocional (Editora Ser+). Colaboradora do blog da Sociedade Brasileira de Coaching, escreveu para as revistas Vida Simples, Galileu, Marie Claire, Bons Fluidos, Educação, Ana Maria, Viver Psicologia e Claudia, entre outras. Foi colunista das revistas Viva Saúde, Corpo a Corpo e Meu Nenê. Assina a coluna Dica da Mari na revista Atrevida.

Comentários do Facebook

4 Comentários

  • 10/6/2012 - 07:17 Crystian

    Eu não concordo com isso. Acho que mulher sente mais a falta do homem do que o homem sente da mulher, e ela precisa que o homem aceite o carinho dela quando ele é muito ocupado. Acho que reclamamos do carinho, mas quando notamos que passamos a receber menos, apenas sentimos aquela falta, uma coisa que era normal, passar a acontecer com menos frequência é estranho. Eu não sei né..Talvez mulher goste de dar carinho mas não de receber.. então associamos o fato dela querer dar carinho com o de querer receber, oque faz ela feliz então é apenas ver o companheiro feliz.

  • 17/12/2013 - 13:03 Claudiana Batista de Sousa Matos

    Com certeza o sr. Crystian não entende muito de mulher. Como assim ? Para uma mulher ser feliz basta que seu companheiro esteja feliz ??? É muito egoísmo e prepotência de sua parte.

  • 5/1/2014 - 00:54 Rai

    Parabéns ao novo relatório. No meu caso, tenho 53 anos e minha esposa 50 anos. Vivo com minha esposa há quase 30 anos e temos 3 filhos homens. Sinto uma grande necessidade da minha esposa ser carinhosa comigo e isso tem me levado a procurar outro relacionamento, contra a minha vontade, pois ainda gosto da minha esposa, mas muita coisa não existe mais ou ficou como uma “obrigação”. Meus filhos dão total atenção a ela e pouca coisa a mim. Gostaria de não ter que traí-la e nem aos meus filhos, pois eles consideram que somos um casal perfeito. Entretanto, a vida íntima é algo muito difícil de ser contada. Meu paraiso seria uma mulher carinhosa, com alguma vontade de sexo. Espero que a felicidade aconteça um dia para mim e minha família.

  • 29/4/2014 - 05:30 osvalda

    Pelo que eu sei os homens gostam de muitos carinhos, as mulheres também. É um sentimento muito lindo e gostoso. O homem que não gosta de carinho está na lei selvagem, pois eu sou carinhosa e gosto de receber carinho e gosto de dar também. Isso é maravilhoso! Na hora do sexo eu gosto de homem romântico… ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Deixe seu comentário