Assim é se lhe parece | Eu & Nós

Assim é se lhe parece

Relacionar-se é complicado. Dito assim é só uma ideia, mas se você pegar a ideia e acrescentar-lhe emoção, o que acontece?

Por Marco Antonio Beck

 rapaz vestindo camiseta com as palavras yes e no no peito

Pegue uma ideia. Por exemplo: relacionar-se é complicado.

Dito assim é só uma ideia, mas.

Mas se você pegar a ideia e acrescentar-lhe emoção, o que acontece?

A ideia de que relacionar-se é complicado fica mais forte, vira uma crença pessoal.

Agora pense: o que fazem as crenças pessoais?

Elas moldam nosso comportamento, dirigem nossas atitudes, são o porquê de fazermos as coisas do jeito que fazemos.

No nosso exemplo, se acrescentarmos emoção à ideia de que relacionar-se é complicado, transformaremos a ideia numa crença que guiará inconscientemente nosso comportamento no sentido de complicar nossas relações.

E daí não adianta ter pensamento positivo porque pensamento positivo pode ser muito legal, mas só terá força pra mudar a crença que diz que relacionamentos são complicados se você acrescentar uma emoção positiva ao pensamento positivo. Ou seja, transformá-lo numa crença pessoal que diga o contrário da anterior: que relacionamentos podem ser simples e fluir dum jeito gostoso.

Isso transformará automaticamente seus relacionamentos complicados em relacionamentos simples e gostosos?

Não, mas você se tornará mais exigente na hora de dizer sim ou não, respeitará mais seus pontos de vista e ouvirá com melhores ouvidos a verdade do outro porque estará mais seguro de sua própria verdade. Ou seja, será mais fácil se relacionar – porque até então você estava se relacionando mais com sua crença do que com o outro.

Como mudar crenças, transformando as desfavoráveis em favoráveis?

Comece prestando atenção pra ver quando elas se instalam – e é preciso prestar mesmo atenção porque os comportamentos associados às crenças estão no piloto automático, nem pensamos neles.

Aos poucos, porém, se insistir em prestar atenção – uma atenção curiosa, sem cobrança, como se fizesse apenas uma experiência, porque é isso mesmo – você vai perceber que as crenças limitantes fazem você agir de um jeito que não é o seu. Pode ser seu por hábito, mas não é da sua natureza. E dar-se conta enfraquece a crença e fortalece você.

Então permita-se sentir como seriam seus relacionamentos sem essa crença.

Qual a sensação? É de peso, de leveza, de cobrança, de alívio?

E agora responda a você mesmo, olhando ali pra câmera da verdade:

manter essa crença te faz bem?

Prestar atenção é o começo.

imagem: D.so

SOBRE O AUTOR

Formado pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), o Marco é practitioner em Programação Neurolinguística (PNL) e Emotional Freedom Techniques (EFT). Certificado em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard, é coautor do livro Saúde Emocional (Editora Ser+), colaborador do blog da Sociedade Brasileira de Coaching e colunista convidado do Obvious, o maior site colaborativo de cultura em língua portuguesa. Estudou psicologia junguiana, noética e pensamento sistêmico, além de trabalhar como ghost-writer – que é quem coloca em palavras as ideias de muitos autores que você lê. Criou junto com a Mariana o Eu & Nós, primeiro site brasileiro sobre Coaching de Relacionamento.

Comentários do Facebook

Deixe seu comentário